Marcador inflamatório pode ser um alerta precoce para demência

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Um novo estudo descobriu um plasma sanguíneo ligado à inflamação que pode ser um sinal de alerta para certas demências. Poderia abrir o caminho para a triagem de baixo custo?

amostra de sangueCompartilhar no Pinterest
Um marcador de inflamação no sangue pode ajudar a prever demência.

A cada 65 segundos, alguém nos Estados Unidos desenvolve a doença de Alzheimer.

De fato, cerca de 5,8 milhões de pessoas nos EUA vivem com a condição, o que pode afetar a capacidade de uma pessoa de pensar, falar, lembrar, relacionar-se com outras pessoas e executar tarefas diárias.

A demência é uma das causas de morte que mais cresce no mundo, superando o câncer de mama e o câncer de próstata como a sexta principal causa de morte nos EUA.

Demência é um termo genérico que se refere a várias condições que resultam de alterações cerebrais anormais que afetam a capacidade de pensar. Tem várias causas possíveis.

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, seguida pela demência vascular, decorrente de sangramento microscópico e bloqueio de vasos sanguíneos no cérebro. Outras causas incluem deficiência de vitamina e problemas de tireóide.

"A demência é uma síndrome complexa geralmente resultante de inúmeras causas", disse o autor do estudo, Dr. Matthew Pase, do Instituto Florey de Neurociência e Saúde Mental, em Melbourne, na Austrália. Notícias médicas hoje.

O estudo, que aparece na revista Neurologia, propôs testar a ligação entre um marcador inflamatório no sangue (sCD14) e a demência incidente. A esperança é que esses biomarcadores acabem pavimentando o caminho para prever a demência.

"Além dos biomarcadores da doença de Alzheimer (ou seja, amilóide e tau), os biomarcadores de inflamação e lesão neuronal podem ajudar a melhorar a previsão de demência clínica", disse o Dr. Pase.

O que excitou os pesquisadores foi o potencial de avaliar o risco de demência com antecedência, aproveitando biomarcadores de baixo custo com base no sangue para pavimentar o caminho para a intervenção antes do desenvolvimento da doença, possivelmente mudando o curso da vida de alguém.

Leia Também  Psicoterapia - quase precisa (técnica de Alexander, postura, dor, tensão e lesões) (Albuquerque)
cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

"O desenvolvimento de biomarcadores sanguíneos de baixo custo para demência pode melhorar a pesquisa e a prática clínica, permitindo a triagem generalizada de baixo custo e (auxiliando) na identificação de participantes de risco para estudos de prevenção de demência", disse o Dr. Pase.

"Biomarcadores de inflamação neural, como o sCD14, são candidatos promissores para o estudo, uma vez que a inflamação parece ser um caminho comum desencadeado por uma variedade de mecanismos que levam à demência".

Inflamação – preditor chave da demência

"A inflamação foi identificada como contribuinte para muitas doenças neurológicas", explicou o Dr. Pase.

"Lesões no cérebro que predispõem à demência, seja devido a lesão cerebral vascular, proteinopatia de Alzheimer ou traumatismo craniano, são acompanhadas por uma resposta neuroinflamatória".

No entanto, os cientistas não entendem completamente o papel da inflamação nos diferentes tipos de demência.

Com base em pesquisas anteriores em animais que sugeriram que o sCD14 ajuda a regular a resposta inflamatória do cérebro, os pesquisadores começaram a investigar seu uso como um biomarcador para o risco de declínio cognitivo e demência.

A nova pesquisa, baseada em dois estudos comunitários, analisou mais de 4.700 participantes. Em um estudo, a idade média era de 69 anos e, no outro, de 72 anos. Nos dois estudos, os pesquisadores mediram o sCD14 plasmático no sangue dos participantes.

Em um estudo, eles realizaram uma ressonância magnética cerebral e testes cognitivos no primeiro ano e uma segunda rodada de testes após 7 anos. Eles também pesquisaram os participantes sobre demência por um período médio de 9 anos.

No segundo estudo, a equipe realizou a primeira ressonância magnética cerebral dentro de 3 ou 4 anos após a inscrição e uma segunda ressonância magnética cerca de 5 anos depois.

Leia Também  Dosagem, benefícios e efeitos colaterais

O que os pesquisadores descobriram foi que níveis mais altos de sCD14 estavam associados a lesão cerebral e envelhecimento, além de declínio cognitivo.

Embora não tenha havido um estudo clínico para avaliar a eficácia da redução dos níveis de sCD14 e da capacidade cognitiva, existem tratamentos que usam medicamentos anti-inflamatórios, como estatinas, para diminuir o sCD14.

"Mais pesquisas são necessárias para validar nossas descobertas em diversas populações", disse o Dr. Pase. "Como medimos o sCD14 no sangue, seria interessante examinar até que ponto o sCD14 no sangue reflete a inflamação no cérebro".

"Por fim", conclui ele, "como a demência é multifacetada, será importante determinar quais combinações de biomarcadores melhor predizem o risco de demência futura".

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *