Coronavírus: Bolsonaro vê demissão do segundo ministro da Saúde

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Nelson Teich e Bolsonaro

Direitos autorais da imagem
Getty Images

Legenda da imagem

Nelson Teich, à esquerda, e Jair Bolsonaro durante sua cerimônia de posse há menos de um mês

O ministro da Saúde do Brasil se demitiu depois de menos de um mês no cargo, após desentendimentos sobre a forma como o governo lidou com a crescente crise de coronavírus no país.

Nelson Teich havia criticado um decreto do presidente Jair Bolsonaro que permitia a reabertura de academias e salões de beleza.

No entanto, ele não deu motivo para sua demissão em uma conferência de imprensa.

Seu antecessor foi demitido depois de discordar de Bolsonaro.

O presidente de extrema direita continua se opondo às medidas de bloqueio.

Ele minimizou o vírus como “um pouco de gripe” e disse que a disseminação do Covid-19 é inevitável, atraindo críticas globais.

  • ‘Explosão de vírus não documentada’ varre o Brasil
  • Brasil registra maior aumento diário de mortes por vírus

O Brasil ultrapassou recentemente a Alemanha e a França em termos de número de casos de coronavírus, tornando-se um dos pontos críticos do mundo, com mais de 218.000 casos e um recorde de 15.305 nas últimas 24 horas. Os últimos números diários também mostraram 824 novas mortes registradas, elevando o número oficial de mortes para 14.817.

Coronavírus: Bolsonaro vê demissão do segundo ministro da Saúde 1

A reprodução de mídia não é suportada no seu dispositivo

Legenda da mídiaA correspondente da BBC na América do Sul Katy Watson analisa como Bolsonaro reagiu ao vírus no Brasil

Por que o ministro renunciou?

Em sua entrevista coletiva, Teich não revelou por que havia desistido. Ele apenas agradeceu ao presidente Bolsonaro por lhe dar a chance de servir como ministro e elogiou os profissionais de saúde.

Mas ele entrou em conflito com o presidente sobre vários aspectos de como o governo lidou com a epidemia em espiral.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Direitos autorais da imagem
Getty Images

Legenda da imagem

Teich (à direita) entrou em conflito com o presidente por lidar com a crise

Ele discordou do desejo do presidente de usar amplamente a cloroquina como tratamento. O medicamento ganhou ampla atenção, embora a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirme que não há evidências definitivas de que ele funcione.

Teich também criticou o presidente sobre os planos de abrir a economia, dizendo na semana passada que ele não foi consultado antes de uma ordem que abriu caminho para que academias, salões de beleza e cabeleireiros reabram.

Mas as divergências sobre como a cloroquina deve ser usada foi a gota d’água, informou o jornal Globo.

Ele é o segundo ministro da saúde a deixar o cargo em menos de um mês. Luiz Henrique Mandetta foi demitido em abril, depois que o presidente Bolsonaro o criticou publicamente por pedir às pessoas que observassem o distanciamento social e ficassem dentro de casa.

Perder um ministro da saúde foi estranho, mas perder dois em menos de um mês não é apenas embaraçoso para Jair Bolsonaro, mas profundamente preocupante para o Brasil.

O país tornou-se o mais recente hotspot do coronavírus e, em vez de os políticos tentarem combatê-lo juntos, a pandemia se tornou política e o líder do país não está conseguindo direcionar a população que realmente precisa.

Nelson Teich não deu nenhuma razão para sua partida, apenas dizendo “a vida é cheia de decisões e eu decidi partir” – mas ele não se viu de cara com seu chefe no uso de cloroquina e seu ministério da saúde foi excluída nesta semana, quando Jair Bolsonaro decidiu incluir salões de beleza, cabeleireiros e academias de ginástica como serviços essenciais.

Parece que o trabalho de ministro da saúde para Jair Bolsonaro é uma tarefa ingrata no momento – mas é uma vaga difícil no pior momento possível no Brasil.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br
Leia Também  Local de nascimento de Che Guevara acondicionado à venda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *