Conflito na Líbia: ataques com foguetes de Trípoli interrompem negociações de paz

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

[ad_1]

Fumaça sobe do porto de Trípoli após ser atacado na Líbia, em 18 de fevereiro de 2020

Direitos autorais da imagem
Reuters

Legenda da imagem

A companhia nacional de petróleo teve que ordenar que todos os navios-tanque fossem evacuados do porto

O governo da Líbia retirou-se das negociações de paz depois que a capital foi atingida por um foguete.

Ele disse que o porto era um dos alvos atingidos por forças leais ao renegado general Khalifa Haftar, levando à evacuação de navios-tanque.

A cidade está sitiada há quase um ano e depende muito do transporte marítimo para alimentar sua população.

As principais negociações para intermediar um cessar-fogo duradouro entre os dois lados da guerra civil fracassaram várias vezes.

“Não pode haver paz sob o atentado”, afirmou o Governo do Acordo Nacional da ONU (GNA).

“Estamos anunciando a suspensão de nossa participação nas negociações militares que ocorrem em Genebra até que posições firmes sejam adotadas contra o agressor [Gen Haftar]”, dizia.

Conflito na Líbia: ataques com foguetes de Trípoli interrompem negociações de paz 1

A reprodução de mídia não é suportada no seu dispositivo

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Legenda da mídiaO que está por trás da luta pela Líbia?

O conflito na nação rica em petróleo foi complicado pelo papel de estados estrangeiros.

A Turquia aprovou uma lei controversa em janeiro para enviar tropas para ajudar as forças do GNA em Trípoli. O Catar também apóia o GNA, liderado pelo primeiro-ministro Fayez al-Sarraj,

O Exército Nacional da Líbia (LNA) do general Haftar, que controla grande parte do leste da Líbia, tem o apoio da Rússia, Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos (EAU) e Jordânia.

O chefe da ONU, António Guterres, chamou recentemente o conflito de “guerra por procuração”, acrescentando em uma entrevista recente à BBC que era “inaceitável”.

Direitos autorais da imagem
AFP

Legenda da imagem

Desde a queda de Kadafi, facções armadas rivais disputam o poder

O conflito deixou mais de 1.000 pessoas mortas e forçou cerca de 140.000 de suas casas, segundo a ONU.

No início desta semana, os ministros das Relações Exteriores da Europa reunidos na capital belga, Bruxelas, concordaram com uma nova missão naval e aérea para impedir que mais armas cheguem a facções em guerra na Líbia.

A Líbia está dividida por conflitos desde a revolta de 2011, que derrubou Muammar Kadafi.

[ad_2]

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br
Leia Também  Coronavírus: número de mortos nos EUA ultrapassa 2.000 em um único dia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *